segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Opinião "Antes de Eu Partir", Paul Kalanithi

Sinopse

“Aos 36 anos, ao terminar uma década de formação como neurocirurgião, Paul Kalanithi foi diagnosticado com um cancro inoperável no pulmão. Num dia era um médico que dava esperança aos que lutavam pela vida, no seguinte passou a ser um paciente que tentava sobreviver. Antes de Eu Partir conta-nos a transformação de Kalanithi, que passou de estudante de Medicina em busca do sentido da vida a neurocirurgião respeitado pelos seus pares. Até que, numa estranha ironia de vida, se viu no papel de paciente e pai de um recém-nascido. Ao enfrentar a sua própria mortalidade, não pôde deixar de se interrogar: o que nos faz querer viver? O que fazemos quando a vida é interrompida de forma tão abrupta? O que significa ser pai quando a nossa própria vida está a fugir? Paul Kalanithi faleceu enquanto escrevia este livro profundamente comovente, contudo, o seu amor pela literatura e medicina levou-o a partilhar as suas maiores inseguranças e receios. Partiu demasiado cedo, mas não sem antes nos deixar este testemunho lírico e extraordinário sobre a condição humana.”

Opinião

É difícil explicar por palavras o quanto gostei deste livro. Talvez o tenha apreciado ainda mais por, como Paul Kalanithi, ser médica (como as restantes Bloguinhas, a quem já o recomendei mil vezes), mas a sua riqueza e a profundidade das reflexões que contém têm um valor inegável para qualquer ser humano.

“Antes de Eu Partir” é a autobiografia de Paul Kalanithi, um neurocirurgião com formação em Literatura, e relata as suas experiências desde o início da sua vida até ao seu falecimento precoce, aos 37 anos, com um cancro do pulmão. É um livro profundamente tocante, que revela a riqueza de um ser humano extraordinário, com uma curiosidade fora do comum em compreender a forma como a mente funciona, e a maneira como o ser humano se relaciona com a doença e com a sua própria mortalidade. Todo o seu percurso profissional reflecte essa constante curiosidade, tendo sido o motivo pelo qual se interessou pela Literatura, iniciando em paralelo a sua formação em Neurociências, e passando posteriormente para a Medicina e para a Neurocirugia. É o relato de uma pessoa que tinha verdadeiramente vontade de viver, e uma incomum capacidade de reflexão sobre a vida. E por isso mesmo é um relato ainda mais triste: foi uma vida interrompida e ao mesmo tempo incrivelmente cheia, uma pessoa extraordinariamente digna desde o início até ao final.

Como já referi, foi uma obra com a qual senti uma ligação particular, pela partilha da profissão. Paul conta histórias acerca da sua passagem pela Faculdade de Medicina que têm muito em comum com as que também vivenciei, muitos pontos de vista que se cruzam com os meus e com os que de mim são próximos. De facto, o autor manteve ao longo de toda a sua vida uma invulgar humanidade, que foi um privilégio testemunhar através da sua autobiografia.

Nunca me tinha acontecido terminar a última página de um livro com tamanha vontade de recomeçar da primeira de seguida. Não é uma leitura leve, mas é extremamente enriquecedora, tanto pela perspectiva acerca da vida de Paul Kalanithi como pelos “porquês” que nos obriga a levantar acerca da nossa própria existência. Ao ler o testemunho de alguém que viveu por inteiro, dei por mim a reflectir no meu percurso e colocar as mesmas questões para as quais o autor tinha já a resposta tão presente. Faz falta de tempos em tempos parar e pensar, descobrir os motivos por detrás das nossas próprias decisões, distanciar para ver o todo. Através da leitura de “Antes de Eu Partir”, tive a oportunidade de o fazer, e de aprender com alguém mais sábio do que eu. É um livro importante. E um livro que não poderia recomendar mais, especialmente a quem trabalha com os outros e tem a possibilidade de os ajudar em situações de fragilidade.


Sem comentários :

Enviar um comentário