sábado, 15 de junho de 2019

Opinião "O Estrangeiro", de Albert Camus

Sinopse


Meursault recebe um telegrama: a mãe morreu. De regresso a casa após o funeral, enceta amizade com um vizinho de práticas duvidosas, reencontra uma antiga colega de trabalho com quem se envolve, vai à praia - até que ocorre um homicídio. Romance estranho, desconcertante sob uma aparente singeleza estilística, em O Estrangeiro joga-se o destino de um homem perante o absurdo e questiona-se o sentido da existência. Publicado originalmente em 1942, este primeiro romance de Albert Camus foi traduzido em mais de quarenta línguas e adaptado para o cinema por Luchino Visconti em 1967, sendo indubitavelmente uma das obras-primas da literatura francesa do século XX.


Opinião


Aquando da ida à Feira do Livro de Lisboa, o ano passado, deixei-me cair em tentação, e, entre outros livros a preços apetitosos, trouxe um exemplar de O Estrangeiro, de Albert Camus. Já havia, naturalmente, ouvido falar deste nome, ou não fosse ele um Prémio Nobel da Literatura e uma incontornável referência na Filosofia emergida no século passado. 

Comecei esta leitura sem nenhumas expectativas e sem sequer ter lido a sinopse da obra. Sabia porém tratar-se de um ensaio filosófico mais do que um romance banal. E a verdade é que esta obra deve ser lida partindo desse pressuposto, ou correm o risco de não perceber onde se encontra a genialidade numa história, que lida sem atenção às entrelinhas, não passa de um relato de um caso insólito. 

Já enquanto ensaio filosófico, Camus expõe em O Estrangeiro a sua complexa teoria do absurdo que, por oposição ao existencialismo, aceita que a vida seja desprovida de sentido e que face à angústia dessa revelação devemos aceitá-la, aproveitando a felicidade das pequenas coisas. 

Camus apresenta-nos Meursault, um homem que recebe com indiferença a notícia da morte da mãe, que parece viver apenas das sensações, distante, estrangeiro ao mundo que o rodeia. Após o funeral da mãe o protagonista envolve-se amorosamente com Marie e inicia uma amizade com um vizinho duvidoso. Num dia de sol (e talvez por causa do sol), num passeio pela praia, Meursault comete um homicídio e é condenado à morte. A partir daí o seu julgamento toma conta das restantes páginas levando-nos numa viagem por uma das questões mais importantes do existencialismo, e em última análise, da Filosofia, diante do derradeiro fim será Deus a resposta e o sentido último? Ou é Deus uma ilusão para nos esquivarmos a aceitar a condição absurda de existir? 

Para mim mais do que tentar responder a essas questões, Camus tem consciência da impossibilidade de vivermos no nosso mundo de mãos dadas com o absurdismo, diariamente somos postos à prova, colocados face a desafios, projectos e prazos, queremos ser, queremos fazer, queremos chegar, queremos dar sentido. 

Na vertigem dos dias comuns não há tempo para aceitar que as nossas conquistas são trivialidades de uma ausência de sentido universal e que deveríamos, ao invés, aproveitar o calor do sol, a brisa do mar e o suor dos corpos. Mas viver movidos por impulso, indiferentes, tornar-nos-ia agressivos e insensíveis aos olhos de um mundo de falsos existencialismos, seriamos condenados ao mesmo fim que Meursault.

Se ficam atormentados e inquietos em pensar nestas questões O Estrangeiro não é um livro que faça falta nas vossas estantes. No meu caso, que me vejo muitas vezes em conflito com o desconcerto do mundo, fiquei tentada a abrigar na minha biblioteca as restantes publicações de Albert Camus.


sábado, 8 de junho de 2019

Resultado Passatempo Dia da Mãe - Editorial Presença

Aqui fica o resultado do nosso Passatempo do Dia da Mãe, com o apoio da Editorial Presença!



Gizela Mota
Conceição Maria
Helena Gama

As vencedoras irão receber um email da nossa parte. Desejamos-lhes uma boa viagem literária!

Boas viagens,
Bloguinhas 


sábado, 25 de maio de 2019

Opinião "Harry Potter e os Talismãs da Morte", J. K. Rowling

Sinopse 


“É neste sétimo volume que Harry Potter irá travar a mais negra e perigosa batalha da sua vida. Dumbledore reservou-lhe uma missão quase impossível - encontrar e destruir os Horcruxes de Voldemort... Nunca, em toda a sua longa série de aventuras, o jovem feiticeiro mais famoso do mundo se sentiu tão só e perante um futuro tão sombrio. Chegou o momento do confronto final - Harry Potter e Lord Voldemort... nenhum pode viver enquanto o outro sobreviver... um dos dois está prestes a acabar para sempre... Os seus destinos estão misteriosamente entrelaçados, mas apenas um sobreviverá... 

Numa atmosfera apoteótica e vibrante, Rowling desvenda-nos, por fim, os segredos mais bem guardados do universo fantástico de Harry Potter e deixa-nos envoltos, talvez para sempre, na sua poderosa magia. Este sétimo volume tem sido considerado pelo público e pela crítica como o melhor de toda a série de Harry Potter.” 


Opinião 

É com um misto de alegria e nostalgia, pincelados por uns laivos de tristeza, que coloquei Harry Potter e os Talismãs da Morte junto aos livros que o precederam dando por terminada esta Aventura! 

Ao contrário das outras Bloguinhas, só comecei a ler a saga Harry Potter na faculdade e, portanto, na idade adulta. Não obstante, vi nascer em mim os mesmos sentimentos que vi-a nelas sempre que as nossas discussões literárias caiam sobre o Rapaz Que Sobreviveu. Passei a vislumbrar nelas e em mim o desejo de que a minha carta se tivesse extraviado e viesse a chegar a qualquer momento, e os nossos olhos brilhavam, como demais acontece a qualquer potterhead, sempre que o tema das nossas conversas recaía magicamente sobre estes encantados livros. 

A construção detalhada de um universo ricamente floreado aliada a um conjunto de personagens cativantes e com densidade psicológica faz com que estes livros emanem uma capacidade de nos fazerem companhia ao longo do tempo como amigos, grandes amigos. 

J. K. Rowling, além dos mantos inspirados em trajes académicos e detalhes arquiteturais relembrando a Livraria Lello, pôs nos seus livros algo ainda mais Português, a Saudade. E assim mais do que páginas recheadas de peripécias numa escola de magia, mais do que uma batalha constante do bem contra o mal, a saga Harry Potter é um abraço, é o triunfo da amizade e do amor, uma ode à coragem, ao sacrifício e ao luto. O sentimento de perda que percorre as páginas desta saga, às vezes quase como uma fantasmagórica personagem, confere uma profundidade narrativa pouco usual na grande maioria dos livros destinados a uma faixa etária semelhante à que Harry Potter se endereça. 

Harry Potter e os Talismãs da Morte foi, talvez, o meu livro preferido dos sete, pelo movimento, pela acção constante, pelo perigo eminente, pelo mistério e pelo desvendar desse mistério. Harry, Ron e Hermione juntamente com os seus fiéis amigos procuraram, neste capítulo final, os objectos necessários para conseguir derrotar Voldemort. Resumir numa frase este último volume parece algo um pouco redutor, na medida em que a cada página a aura de uma batalha épica se avizinhava e os protagonistas superavam dificuldades inimagináveis, lutando muitas vezes contra eles mesmos, contra as suas dúvidas e defeitos, o que nos faz sentir uma íntima proximidade com eles, por serem tão reais, por nos fazerem chorar e rir genuinamente, por não serem perfeitos. 



Talvez pela altura em que li esta história me tenha apercebido de falhas minor de argumento, quase desculpáveis ou pelo menos irrelevantes, no entanto, fiquei francamente decepcionada com uma das personagens principais que até então se ia redimindo e cujos pecados eu misericordiosamente fui desculpando e enquadrando como erros cometidos nos loucos anos da insensata juventude. Porém, no derradeiro final, um conjunto de palavras infelizes deitou por terra grande parte da minha simpatia por esse personagem, existindo, porém, em mim uma vontade de o absolver e acreditar que ele saberia que no fim tudo poderia dar certo. 

Li o último volume, Harry Potter e os Talismãs da Morte, a uma velocidade apenas equiparada àquela com que li o primeiro, Harry Potter e a Pedra Filosofal, mas confesso que na proximidade do final fui tomada por uma lentidão semi-voluntária porque não queria que o fim chegasse, não queria despedir-me dos amigos que de repente se haviam tornado próximos, mas ao mesmo tempo queria ter a certeza que todos ficariam bem. 

Quanto à escrita de J. K. Rowling nada há a apontar, simples e clara, rica no conteúdo, não aborrece e avança no passo certo, talvez os últimos capítulos tenham sido menos claros do que eu gostaria. Pioneira na literatura fantástica ou pelo menos dando a esta outra visibilidade abriu as portas a outros projectos que foram surgiram a uma vertiginosa velocidade desde então, no entanto, na minha perspectiva, não alcançando tanto público e não o apaixonando na mesma ordem de grandeza. 

Quem passou horas a percorrer os corredores de Hogwarts sabe que as páginas desta saga têm, na verdade, poderes mágicos: aquecem o coração naqueles dias em que parece que tudo está errado, naqueles dias em que suspeitamos ter um Dementor no nosso encalço ansioso por nos beijar, abraçam aqueles que nas segundas-feiras chuvosas só queriam estar enroladinhos num manto na Toca a comer um delicioso manjar preparado por Mrs. Wesley, e fazem-nos rir sempre que nos refastelamos na relva verdejante ao sol, imaginando no nosso pensamento que estamos nos jardins do castelo… claro que está tudo a acontecer na nossa mente. Mas por que razão há-de isso significar que não é real?




sexta-feira, 24 de maio de 2019

Resultado Passatempo Dia Mundial do Livro

Aqui fica o resultado do nosso Passatempo do Dia Mundial do Livro.

O Meu Peixinho de Aquário Sabe Quem Eu Sou?, de Gemma Elwin Harris.

Fátima Gonçalves 

A vencedora irá receber um email da nossa parte. Desejamos-lhe uma boa viagem literária!

Boas viagens,
Bloguinhas 


segunda-feira, 13 de maio de 2019

Opinião "O Moinho Maldito", Ana Nunes

Sinopse

“Começaram as férias. Os 4 amigos voltam a encontrar-se em Sesimbra. Uma artesã francesa compra um moinho - dizem estar amaldiçoado! -, para lhe servir de ateliê e restaurar umas peças valiosíssimas pertencentes a uma coleção privada.

Pouco tempo depois, o jornal local anuncia o desaparecimento de alguns desses tesouros da Casa de Calhariz. Quem os roubou? Será que a maldição do moinho está relacionada com o que aconteceu? Os 4 Quadrantes e o Sam decidem investigar.”


Opinião

O volume mais recente das peripécias dos 4 Quadrantes leva-nos de regresso à zona de Sesimbra, palco da primeira história, reunindo novamente os quatro amigos na Casa da Cinco Pedras para mais umas férias escolares. Depois de três aventuras juntos (com opiniões aqui, aqui e aqui), encontram-se para mais sarilhos e corajosas investigações.

À semelhança dos livros anteriores, o grupo conhece novas personagens, como as francesas mademoiselle Louise e demoiselle Mireille, que vêm restaurar obras de arte na região. Depois de um roubo reportado no jornal, os jovens não resistem à tentação de investigar. A aventura cruza-se no seu caminho, e mais uma vez os criminosos sem escrúpulos subestimam as capacidades dos pequenos detectives.

De todos os volumes, senti que este foi aquele em que a acção se desenrolava de forma mais apressada, com personagens interessantes que facilmente ficaram esquecidas (como Bárbara ou o empreiteiro – a que se deveu o episódio presenciado pelos rapazes?). Com mais alguns capítulos talvez estes arcos de história pudessem ter sido mais bem explorados, o que também teria contribuído para o suspenseda obra. Também o final foi abrupto, sendo que esperava algumas linhas para dizer um “até às próximas férias!” a Ema, Constança, Vicente, Lucas (e Sam, claro!).

Porém, e tal como os seus antecessores, é um livro muitíssimo bem escrito, com um vocabulário variado e explicaçóes sobre alguns termos mais desconhecidos, o que é uma lufada de ar fresco e particularmente importante dado o público-alvo.

Depois de duas aventuras noutros pontos do país, foi um bom regresso a “casa” para os 4 Quadrantes. As Bloguinhas deixam o seu agradecimento a Ana Nunes, que como sempre nos cedeu uma cópia com a maior generosidade e simpatia. Contamos ter a oportunidade de ler um próximo tomo da colecção em breve!


domingo, 5 de maio de 2019

Passatempo Dia da Mãe - Editorial Presença

E com a ajuda da Editorial Presença temos um livrinho para vos oferecer ou para oferecerem à vossa Mãe para celebrar este dia tão bonito!

Serão 3 os vencedores!


Sinopse

Uma relação maior que um oceano.

Entre as dores da perda e a incapacidade de seguir em frente, Emília vive os seus dias numa clínica. Está estagnada. É nesse inferno pessoal que ela conhecerá Diogo, alguém que também foi vítima de uma tragédia. Será que é possível dois corações quebrados encontrarem a felicidade Numa sociedade onde a aparência continua a valer mais do que a essência, é difícil continuar a jornada da vida quando tudo nos é arrancado. Passamos os dias a olhar para a capa das pessoas. Julgamos, sem compreender que nunca conheceremos totalmente uma história sem ler cada página. Sem compreender o seu início, meio e fim.

Duas pessoas fisicamente distantes. Dois corações quebrados pela vida.Dois sotaques que se misturam entre a dor, o riso e o amor. Olhem para a capa de cada pessoa, mas virem a primeira página.



Autora portuguesa bestseller no Brasil. A Série Quebrados atingiu mais de um milhão de leituras na plataforma online Wattpad.

As participações são válidas até ao dia 5 de Junho de 2019 às 23h59Leiam atentamente as regras de participação. Os vencedores serão contactados por email. O envio do livro está a cargo do blog.


Regras de Participação:
1. Apenas será permitida uma participação por pessoa/email.
2. Para participar é obrigatório ser seguidor do blogue Bloguinhas Paradise.
3. Para participar é obrigatório colocar "gosto" na página do Facebook de Bloguinhas Paradise.
4. Para participar é obrigatório colocar "gosto" na página de Facebook da Editorial Presença.
5. Para participar é obrigatório responder à questão colocada sobre a obra.
6. Cada participante pode conseguir 2 entradas extra partilhando este post numa rede social à escolha, em modo público.
7. Cada participante pode conseguir 1 entrada extra tornando-se seguidor da página do Instagram do Bloguinhas Paradise.
8. O vencedor será determinado aleatoriamente.
9. Neste passatempo são aceites apenas participações de residentes em Portugal.


Boa sorte,

Bloguinhas

sábado, 4 de maio de 2019

Novidades Editorial Presença

Código de Confiança para Raparigas, Katty Kay e Claire Shipman


Sinopse


As raparigas são capazes de dominar o mundo. Tu só precisas de ter confiança.



Alguma vez desejaste ter coragem para fazeres provas de acesso a uma equipa desportiva ou conseguires um papel numa peça de teatro, ou para finalmente falares com aquele professor mal-humorado e intimidante, ou criares o clube de proteção dos animais com que andas a sonhar?

Talvez a tua lista de coisas que consideras assustadoras seja totalmente diferente. Mas aqui está o segredo para que tudo isso, e muito mais, possa acontecer: Confiança. Dá-te força para fazeres tudo o que quiseres.

Com muitas imagens, listas e testes divertidos, e ainda histórias de raparigas reais, Código de confiança para raparigas revela tudo sobre o código de confiança E como criá-lo e usá-lo. Em breve, serás uma rapariga de ação, pronta a correr riscos que te levarão a viver grandes aventuras e a ultrapassar desafios que nunca antes imaginaste.



Corações Quebrados, Sofia Silva


Sinopse


Uma relação maior que um oceano.


Entre as dores da perda e a incapacidade de seguir em frente, Emília vive os seus dias numa clínica. Está estagnada. É nesse inferno pessoal que ela conhecerá Diogo, alguém que também foi vítima de uma tragédia.Será que é possível dois corações quebrados encontrarem a felicidade numa sociedade onde a aparência continua a valer mais do que a essência, é difícil continuar a jornada da vida quando tudo nos é arrancado. Passamos os dias a olhar para a capa das pessoas. Julgamos, sem compreender que nunca conheceremos totalmente uma história sem ler cada página. Sem compreender o seu início, meio e fim.


Duas pessoas fisicamente distantes. Dois corações quebrados pela vida. Dois sotaques que se misturam entre a dor, o riso e o amor.

Olhem para a capa de cada pessoa, mas virem a primeira página.


As Melhores Piadas de A a Z, Geronimo Stilton


Sinopse

Uma irresistível série de piadas tão longa como o alfabeto: um autêntico dicionário de risadas, para te divertires com o Geronimo Stilton! As Melhores Piadas de A a Z são o Verdadeiro divertimento dos 0 aos 99 anos!



Nada Menos Que Um Milgare, Markus Zusak


Sinopse

Clay olhou para trás uma última vez antes de mergulhar - de emergir e voltar a mergulhar -rumo a uma ponte, a um passado, a um pai. E nadou nas águas douradas pela luz. Os cinco irmãos Dunbar vivem - lutando, amando e chorando a morte da mãe - no caos perfeito de uma casa sem adultos.O pai, que os abandonara, acaba de regressar. E tem um pedido surpreendente: algum deles aceita ajudá-lo a construir uma ponte. Clay, um rapaz atormentado por um segredo que esconde há muito, aceita. Mas porque está ele tão devastado O que o leva a aceitar tão extraordinário desafio

Nada Menos Que um Milagre é a história de um rapaz apanhado numa espiral de sentimentos, um rapaz disposto a destruir tudo o que tem para se tornar na pessoa que precisa de ser. Diante dele, ergue-se a ponte, a visão que irá salvar a sua família - e salvá-lo a ele próprio.

Será um milagre e nada menos que isso.

Simultaneamente um enigma existencial e uma busca pela redenção, esta história de cinco irmãos em plena juventude, numa casa sem regras, transborda energia, alegria e emoções. Escrita no estilo inimitável de Markus Zusak, é um tour de force de um autor que conta histórias com o coração.


Clicar Aqui para mais informações.